JOÃO PIMENTA SPFW N47

BRAND VISION / DIREÇÃO ARTÍSTICA ROGÉRIO VELLOSO
estúdio c a l m a 
SÃO PAULO FASHION WEEK / MAY 2019









Em tempos sombrios, de cizânia, quando forças do atraso insistem em sufocar a criatividade, a tolerância, o respeito ao diverso, a própria vida, o que pode existir de mais revolucionário é o amor. Só ele pode juntar o que se partiu, atravessar e dissolver fronteiras, entender o dano e então criar o amálgama de uma resistência construtiva, transformadora. O kintsugi, a arte milenar japonesa que consiste em reparar com ouro a cerâmica que se quebrou, procura não esconder as fissuras e o trágico, mas evidenciar sua essência e o valor da imperfeição como o mote para um eterno aprendizado. Tal poder tem o amor.

João Pimenta nesta nova coleção mergulha em sua própria trajetória e numa reflexão profunda a respeito da liberdade, para celebrar através da composição aparentemente contraditória de elementos e signos, a beleza que pode surgir da conciliação entre o que é diferente, ao mesmo tempo em que faz uma homenagem silenciosa a todxs que vieram antes abrindo caminho e lutando por uma sociedade mais humana e plural.

Ao olhar para o seu próprio nome, João transcende categorias e divisões e cria sua pequena ode ao amor. Um manifesto a favor da liberdade. E da resistência.





criação JOÃO PIMENTA direção criativa & brand vision ROGÉRIO VELLOSO trilha sonora original FÁBIO CARDIA direção de desfile BILL MACINTYRE produção executiva JULIANA JAZRA beleza HELDER RODRIGUES bordados MARCELO ANDREOTTI estamparias manuais VENNICIUS DE CASTRO adereços SUELI ANDRADE estampas ANDRÉ MACIEL modelagem LAÍS FANTINATI  fotos @agfotosite e sofia diniz





︎














︎









HIGHLIGHTS

︎







































clique para ampliar




























































BACKSTAGE



























clique para ampliar













O PROCESSO












CLIQUE PARA AMPLIAR 




ESTUDOS#01


photoshop / pesquisa / conceituação  ROGER VELLOSO



abraçar o dano.

celebrar as batalhas pelas quais a alma passou, aceitando e honrando as cicatrizes que testemunham a destruição que é o ponto de partida para que ela renasça, formando novamente uma entidade ainda mais completa e preciosa.

O processo de reparação não é apenas colocado em evidência, mas acaba sendo celebrado. É muito semelhante à filosofia do mushin, significando non-attachment; uma verdadeira lição de minimalismo também.






FOTOS ANALÓGICAS SOFIA DINIZ  |  clique para ampliar








© 2018 / 2019 rogeriovelloso + calma creative hub  /  input@calma.art.br  /  são paulo _ brasil

 ︎